segunda-feira, 1 de março de 2010

WILLIAM COLGATE E OS DIZIMISTAS BRASILEIROS

A história de William Colgate, fundador da empresa que leva seu nome, tem sido muito utilizada como fonte de inspiração no meio evangélico, especialmente no que diz respeito à sua fidelidade e liberalidade: Desde que a Colgate não passava de uma pequena fábrica de sabão, William já havia se comprometido a ser um dizimista fiel. Com o passar do tempo e o bom andamento dos negócios, Colgate aumentou o percentual de sua contribuição: 20%, 30%, 40%... até chegar a destinar 90% de seus lucros para a obra do Senhor, de forma que, agora como bilionário proprietário de uma das maiores empresas do mundo, ficava com apenas 10% para si.

Tal relato pode suscitar (e muitas vezes suscita) a seguinte interpretação: “Se Colgate conseguiu construir todo este império sendo um dizimista ... o mesmo pode dar certo com qualquer faça o mesmo que ele”!?

Ou seja, tenta-se fazer da fé de William Colgate uma fórmula ou receita mágica para o sucesso.

Desejo propor uma pergunta:

E quanto aos outros milhares de dizimistas fiéis que não se tornaram donos de multinacionais?

Por que não se fala deles?

Será que se considera que eles não tiveram nenhuma recompensa por sua fidelidade?

Na teoria ética existe uma discussão acerca da finalidade da virtude (por que devemos praticar o bem?) que creio que pode nos ajudar: Fazemos aquilo que é correto pelo valor que a ação possui em si mesma (ética do dever ou deontológica) ou pelos bons resultados que ela pode proporcionar (ética do objetivo ou teleológica)?

Quem é dizimista o faz por solidariedade ao Reino de Deus ou pensa em alguma vantagem posterior?

A ética deontológica ensina que o bem intrínseco das ações é sua própria recompensa - aí está a recompensa de todos os milhões de dizimistas fiéis, que recebem parcos salários, tomam ônibus todos os dias e são a coluna que sustenta a igreja evangélica brasileira: o privilégio de auxiliar na expansão do Reino de Deus com seus recursos financeiros.

Lamento por aqueles que dizimam, inspirados ou não pela história de William Colgate, tentando transformar a contribuição numa espécie de fundo de investimento celestial e fazendo de Deus o seu gerente. Teriam uma atitude de maior honestidade cristã se aplicassem seu dinheiro em um fundo de investimento ou se comprassem ações.

Podem até ser mesmo da Colgate-Palmolive.

13 comentários:

  1. concordo plenamente,nós devemos devemos dizimar por amor, não por obrigação ou recompensa, tenho certeza que Deus nos honra não deixando faltar o pão de cada dia ,a prosperidade melhor é a espiritual pois o resto ficará neste mundo,se o Senhor quiser nos abençoar de outro modo atraves do nosso trabalho e seforço ,grórias seja dada a ele.vc foi muito feliz nessa reflexaõ Deus te abençõe.

    ResponderExcluir
  2. Devemos fazer o certo porque é certo ou para dar certo?
    Acho interessante sua argumentação,mas quero te fazer algumas perguntas qual foi sua motivação para estudar? houve alguma recompensa por estudar? ou simplesmente você se recusar a receber pelo trabalho que realizou através do seus estudos?
    Se eu estou com fome e tenho o poder de transformar pedras em pães porque não fazer? Isso me parece ético e correto.Se o próprio Deus disse fazei prova de mim. Eu creio que todos os que creem em Cristo e são Dizimistas e ofertantes podem prosperar sim cada um a medida que acredita e administra o que Deus tem dado a
    ele livre da destruição do devorador, mas se ele mesmo devora não administrando bem e não acredita e aceita os desafios de Deus jamais será prospero por que na historia de Willian esta claro sua obediência (quando ouviu o pai e o velho), fé (quando foi para cidade e depois para uma igreja)administração e honestidade (quando fez o melhor produto e foi fiel ao Senhor)se ele fizesse tudo isso como cristão e não devolvesse o dizimo e a oferta estaria sem a proteção e a prosperidade de Deus sobre sua vida e a merce daquele que veio matar, roubar e destruir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado irmão:

      Obrigado por sua visita aqui no blog!

      Quanto ao que você escreveu, faço as seguintes considerações:

      O irmão questionou minha argumentação da supremacia da ética do dever sobre a ética do resultado apresentando como exemplo o ato de estudar e as recompensas que ele traz. É verdade que toda ação virtuosa possui consequências - os eticistas se dividem entre dar prioridade à ação em si (no caso, o ato de ser virtuoso seria a própria recompensa em si)ou entre priorizar o resultado como motivador da ação (ou seja, ser virtuoso por causa do resultado que a virtude traz).

      Creio a ética do resultado não se aplica no caso do dízimo, pois estamos falando de um RALACIONAMENTO (e não de uma carreira, como o exemplo que o irmão deu) - no caso, relacionamento com Deus - e todo relacionamento que gira em torno de resultados está corrompido, é interesseiro, mesquinho.

      O irmão escreveu "Eu creio que todos os que creem em Cristo e são Dizimistas e ofertantes podem prosperar sim" - mas outra importante questão que desejo destacar é que prosperidade não se resume a aspectos financeiros - é um conceito muito mais amplo!

      Veja este artigo, sobre o tema: http://vitorgadelha.blogspot.com.br/2009/06/nosso-problema-com-prosperidade.html

      A pergunta que eu fiz no artigo fica mantida:

      "E quanto aos outros milhares de dizimistas fiéis que não se tornaram donos de multinacionais?

      Por que não se fala deles?"

      Ou seja, somente o William Colgate é exemplo de dizimista fiel? E somente porque enriqueceu?

      E, lamentavelmente, irmão, William Colgate tem sido apresentado como uma fórmula mágica para o sucesso, uma ferramenta para estimular as pessoas a dizimarem - não apelando ao seu amor pela obra, mas apelando para os interesses delas.

      Pense nisto! Um abraço!

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. hoje os cristãos dizimam sempre esperando algo em troca.
    http://marcondesservo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. nao tenho nenhuma duvida acerca do ser dizimista, mas com as conotações dadas a isso sou terminantemente contra. por esses dias discuti(no bom sentido) essa questão do dizimo, onde o irmão dizia em nao devemos esperar só pela igreja, no que diz respeito em socorrer nossos irmãos, em parte concordo com ele, mas percebe-se um desvio de compreensão. em atos relata que, em depositando os DIZIMOS e as OFERTAS aos pés dos apostolos era direcionado a igreja de modo que ninguem tinha falta de nada, e desse modo o ESPIRITO SANTO era com eles como sinal de aprovaçao, e a igreja crescia.. hoje se vê uma inversão de valores, construções arquitetonicas, monumentos, disputas, brigas, em quem ou qual tem poder, como maior estatus.. sufocando, trazendo um julgo pesadissimo nas costas do povo, chega, precisamos dar um basta nisso, levando o verdadeiro ensino da palavra de Deus, bem como os valoras e as rações de ser um dizimista.(o dizimo deve partir daquele que tem conciencia do que Deus é, e tem sido na sua vida.) Ou seja o dizimo deve partir de um coraçõa agradecido, por tudo que Deus lhe tem concedido. gostaria de poder compartilhar mais, porem devo limitar-me com essas informações, esperando que de uma maneira isso possa contribuir possitivamente aos leitores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza sua contribuição será útil, irmão!

      Excluir
  6. lamentavelmente o amor ao dinheiro tem sido a causa da queda de muitos cristãos. mamom tem se intronado na compreensão de muitos lideres, com a ideia de ser prospero, de prosperidade. na verdade o que se pode observar são verdadeiras torres de babel. poderia compertilhar diversas situações onde nossos irmãos tem e estão atravesando, enquanto isso os lideres estao preocupados em monumentos, fortalezas e pior, tudo em nome de Cristo. meus amados, vamos acordar...

    ResponderExcluir
  7. Boa tarde!
    Quero aproveitar a oportunidade sobre o assunto, e dizer: Acredito, ser a Bíblia o manual de fé e prática do cristão! Sendo o A.T manual de fé, e o N.T manual de fé e prática! Portanto, por que será que a maioria das denominações insistem em 'ensinar' e praticar uma das formas de contribuição (Dízimo), baseadas no A.T principalmente Ml 3:10,como obrigatório. Já que o N.T fala pouquíssimo sobre o assunto.E quando fala,a contribuição é de uma forma voluntária. Confesso que tenho muita dificuldade de aceitar a afirmação: "Bom, eu dou o dízimo,independente do que a liderança esteja fazendo, ou de que forma estejam usando o dinheiro. Eu estou fazendo a minha parte. 'Eles vão ter com Deus'. Eu como dizimista - apesar de não gostar muito desse termo-,quero e tenho o direito de saber, para onde vai, e como está sendo usado o dinheiro arrecadado. Gostaria que o irmão falasse um pouco sobre este assunto delicado, que tem feito com que muitos façam suas doações de uma forma obrigatória -pela lei- e não voluntária, com amor. E discorresse também sobre o que Malaquias estava querendo ensinar. Para quem realmente ele estava falando? Obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prazer em revê-lo, Ronaldo!

      Para mim, Ronaldo, o dízimo é uma questão menor (um método de contribuição) dentro de uma questão maior (a solidariedade): ou seja, eu amo a obra de Deus e desejo contribuir para sua manutenção e progresso?

      Dentro desta ótica, eu considero válido o dízimo como método de contribuição (o dízimo contemporâneo realmente não é semelhante ao do AT por vários motivos, mas se adequa ao princípio da proporcionalidade nas contribuições defendido por Paulo em 1Co 16.2). Discordo, porém, que o dízimo seja abordado sob o prisma da barganha ou do medo.

      Quanto ao seu comentário, eu concordo com você ("Confesso que tenho muita dificuldade de aceitar a afirmação: "Bom, eu dou o dízimo,independente do que a liderança esteja fazendo, ou de que forma estejam usando o dinheiro. Eu estou fazendo a minha parte. 'Eles vão ter com Deus'. Eu como dizimista - apesar de não gostar muito desse termo-,quero e tenho o direito de saber, para onde vai, e como está sendo usado o dinheiro arrecadado"), a Igreja deve pautar-se pela transparência e os membros devem agir de forma participativa, exigindo a devida prestação de contas acerca dos rumos de suas contribuições. A Igreja deve estar a serviço da emancipação, e não da alienação.

      Excluir
  8. Caro Vitor, Obrigado pela rápida elucidação!

    Acredito que temos o mesmo ponto de vista com relação ao assunto. Nós, comunidade do Cristo, poderíamos fazer muito mais ao Reino de Deus através do investimento em pessoas, da mesma forma e disposição com que temos para investir em belos templos e outros eventos.(Mt 24.1,2).

    Um forte abraço!


    Ronaldo Azevedo

    ResponderExcluir
  9. Pois é meus queridos...
    Se voces lerem o novo testamento, verão que a igreja (o prédio de cimento) passou a ser nada mais do que isso depois da cruxificação de Cristo, onde Ele mesmo nos ensina que o nosso corpo é o templo do Espírito Santo... cada um de nós somos a igreja agora!
    Ensina também que devemos ensinar todos os outros o que é ser realmente cristão (viver como Cristo viveu) e que o dinheiro deve ser doado aos carentes e necessitados e não para enriquecer pastores, bispos e apóstolos que se dizem representandes de Deus ou seguidores de Cristo. Nunca em toda história da humanidade se usa tanto o nome de Cristo como barganha para pegar seu dinheiro em troca de promessas de prosperidade e enriquecimento, curas e outras coisas mais. Pelo que eles ensinam nos templos neo-pentecostais, voce nao precisa mais estudar ou trabalhar... basta ter fé e dar o seu dinheiro que Deus faz de vc um empresário de sucesso, mas também tem que "aguardar o tempo de Deus" se cumprir em sua vida. Enquanto Edir Macedo, Valdomiro Santiago, Silas Malafaia, RR Soares e outros tantos ficam cada dia mais ricos, o povo vai ficando cada vez mais necessitado, egoísta, avarento e enganado.
    Alguém já viu morador de rua entrar na igreja em horário de culto? vista-se de mendigo, coloque uma peruca toda zuada e tente entrar em uma delas dizendo querer ouvir a palavra. Um representante de Deus ou um cristão pode escolher quem entra na igreja para buscar salvação? e vc que está lendo tudo isso... quando alguém pede esmola ou pede o que comer, vc ajuda? vc ora por quem te faz o mal e fala mal de vc? ou vc retribui da mesma maneira...
    Ao invés de dar seu dinheiro para igreja meus queridos... leve consigo o dízimo no bolso ... um pouco a cada dia... e ajude os necessitados. Depois que passei a fazer isso comecei a ver o reino de Deus verdadeiramente se revelar aos meus olhos.
    Leiam a bíblia e deixem que o Espirito Santo vos ilumine, não deixe que um desses pastores leiam por vc porque eles pegam somente frases isoladas e em seguida darão a interpretação que bem entendem. Vcs sabem bem do que estou falando, deixem de ser preguiçosos e busquem intimidade com Deus atravéz da palavra, da biblia pq Ele quer intimidade conosco e assim poderão entender de maneira muito simples o que o papai do céu quer de vcs meus queridos.
    Leiam e releiam o novo testamento e só depois leiam o antigo... pois só assim irão saber de verdade o que continua válido após a cruxificação daquele que deu a própria vida por amor a vcs! e aí eu lhes prometo que em nome de Jesus, vcs nunca mais serão enganados por qualquer pastorzinho aspirante a milhionário.
    Espero que o verdadeiro significado do evangelho encontre um lugar em seus corações.
    PS: PROCUREM NO YOUTUBE POR TEOLOGIA DA PROSPERIDADE E PELO PASTOR CAIO FÁBIO... E SEJAM LIBERTOS DE TODA ESSA SUJEIRA QUE NOS CORROMPE DENTRO DAS IGREJAS QUE DEVERIA SER LUGAR DE REFUGIO, MAS É LUGAR DE ROUBO, BARGANHA, PROSTITUIÇÃO DE PASTORES COM MULHERES QUE FREQUENTAM OS CULTOS E OUTRAS DESGRAÇAS QUE ME DÃO VERGONHA DO TITULO DE "CRENTE OU EVANGÉLICO".

    CESAR SANTOS.

    ResponderExcluir
  10. essa historia de willian COLGATE e muito linda e emocionante pois e uma historia de batalhas que ele teve que percorre as

    ResponderExcluir