sábado, 19 de dezembro de 2009

JESUS E A IGREJA NOS LUGARES CERTOS


"... edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela". (Mateus 16.18)


Já escrevi sobre a absoluta necessidade de distinguir Cristo da Igreja e retorno hoje a este tema.

Nunca é demais enfatizá-lo, dada a constatação empírica de que muitas pessoas abandonam a Cristo devido a alguma decepção com a Igreja.


Só que...

Transferir a Cristo a culpa da Igreja é um falso raciocínio.

A Igreja é conseqüência de Cristo - não é ela que fundamenta Cristo.

Cristo é anterior à Igreja e, sem Cristo não haveria Igreja.

Logo, Cristo possui precedência sobre a Igreja.

Antes de pensar na Igreja devo pensar em Cristo - este é um sério caso onde a ordem dos fatores altera o produto.

Quão sério erro é tentar definir Cristo a partir da Igreja.

Quão sério engano é permitir que a experiência com a Igreja condicione a experiência de Cristo!

A Igreja deve ser definida a partir do referencial de Cristo, pois Ele determina os fundamentos para a identidade da Igreja, fornecendo também, neste sentido, o fundamento para a crítica da Igreja, através do contraste entre a experiência real e o ideal estabelecido por Seu fundador.

O caráter de Cristo não fica comprometido pelas atitudes de Seus seguidores.

E quanto às pessoas que sentem-se tentadas a afastarem-se de Cristo por causa da Igreja?

Sugiro que pensem mais em Cristo que na Igreja!

Veja, eu não disse "Não pense", mas "Pense melhor sobre..."
E que ao pensar nela, não o façam com jactância, mas com misericórdia.

Desejo de ajudar.

Pois, afinal de contas, Cristo ama a este povo imperfeito - e, neste sentido, a Igreja comprova a veracidade do Evangelho de que a salvação é exclusivamente pela graça de Deus.

Você é perfeito?

Não?

Sendo assim, visto que você está irmanado na herança comum da humanidade (em sua ruína e possibilidade de redenção em Cristo), há um lugar na Igreja para você também.